terça-feira, 29 de novembro de 2016

Vidas sacrificadas a Zeus!

No alto do monte Lykaion, na região da Arcádia, na Grécia, restos de ossos de animais queimados, roupas, instrumentos cerimoniais e uma escultura em bronze de uma mão segurando um raio, indicam o local de um antigo altar de sacrifícios para Zeus, de acordo com as pesquisas feitas pelo Museu da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos. 

Os cultos ao maior dos deuses gregos aconteciam no local 3.200 anos atrás. A dedução de que era dedicado a Zeus vem do fato de ele ser a divinidade do céu, representado segurando um raio. Por isso os sacrifícios ocorriam no topo da montanha, de difícil acesso até os dias de hoje. 


A equipe liderada pelo arqueólogo David Gilman Romano descobriu uma série de artefatos, como roupas para homens e animais, moedas de prata e um machado de duas lâminas conhecido como labrys. Restos de cabras e carneiros indicam que esses animais eram os preferidos para os sacrifícios.

Durante uma escavação no monte Lykaion, na região da Arcádia, na Grécia, onde, segundo a tradição local, nasceu e viveu Zeus, um arqueólogo grego encontrou o esqueleto de um adolescente, estimado em 3.000 anos, de acordo com o Ministério da Cultura da Grécia, informa a revista Greek Reporter.


Acredita-se que no cimo do monte Lyceum, de 1.400 metros, houvesse um antigo altar, onde cabras e ovelhas eram sacrificadas aos deuses do Olimpo entre o século XVI a.C. e o período helenístico. Segundo os arqueólogos, é muito cedo para especular sobre a causa da morte do adolescente. No entanto, é uma descoberta notável que poderá corroborar uma das lendas mais trágicas da Grécia, segundo a qual uma criança foi sacrificada junto com animais, e toda a carne foi preparada para ser servida. Aquela pessoa que comesse a parte humana tornar-se-ia lobo por nove anos.
 "Várias fontes literárias da Antiguidade mencionam rumores sobre a realização de sacrifícios humanos no altar, mas, até algumas semanas atrás, não havia quaisquer vestígios de ossos humanos no local", diz David Gilman Romano, professor de arqueologia grega na Universidade de Arizona.

"Quer se trate de um sacrifício ou não, este é um altar sacrificial… por isso, não é um lugar para enterrar uma pessoa. Não é um cemitério", acrescenta.

As escavações no monte Lykaion devem continuar até 2020. O trabalhos estão sendo feitos numa cooperação internacional entre o Ministério da Cultura da Grécia e a Escola Americana de Estudos Clássicos.

Segundo se sabe, a tradição de manter um fogo aceso durante os Jogos Olímpicos remonta à Antiguidade, quando se efetuavam sacrifícios a Zeus. Nessas cerimônias, os sacerdotes acendiam uma tocha e o atleta que vencesse uma corrida até ao local onde se encontravam os sacerdotes teria o privilégio de transportar a tocha para acender o altar do sacrifício. (Fonte: Wikipedia)


Será que os sacrifícios a Zeus continuam até hoje? E Zeus quis assim....

Morte nas Olimpíadas:



O português Francisco Lázaro foi o primeiro a entrar na lista em Estocolmo (1912). Ele sofreu uma insolação tão forte na maratona que não resistiu.
Berlim 1936 – Nicolae – 20 anos
Londres 1948 - Eliška Misáková – Ginasta
Melbourne 1956 - Arrigo Menicocci – Remo
Innsbruck 1964:Ross Milne – Esquiador 17 anos
Kazimierz Kay-Skrzypecki -Luge 53 anos
Albertville 1992 - Nicolas Bochatay – esqui
Vancouver 2010 - Nodar Kumaritashvili – 21 anos

Massacre de Munique

Durante o Massacre de Munique, 11 israelenses, ente os quais atletas, treinadores e juízes, foram assassinados. São eles:
·         Mark Slavin, 18 anos, Luta Greco-romana
·         Eliezer Halfin, 24anos, Luta Greco-romana
·         David Mark Berger, 28 anos, Levantamento de Peso
·         Ze'ev Friedman, 28 anos, Levantamento de Peso
·         Yossef Romano, 31 anos, Levantamento de Peso
·         Andre Spitzer, 27 anos, Esgrima (treinador)
·         Moshe Weinberg, 33 anos, Luta Greco-romana (treinador)
·         Amitzur Shapira, 40 anos, Provas de pista do Atletismo (treinador)
·         Yossef Gutfreund, 40 anos, Luta Greco-romana (juíz)
·         Yakov Springer, 51 anos, Levantamento de Peso judge
·         Kehat Shorr, 53 anos, Tiro (treinador)

Bombardeio em Atlanta -1996

Durante os Jogos Olímpicos de Atlanta-1996 houve um bombardeio no Centennial Park em 27 de julho. O atentado ocorreu durante um show e matou a espectadora Alice Hawthorne e deixou outros 111 feridos, além de causar a morte de Melih Uzunyol por ataque cardíaco.

A primeira - e por enquanto única - morte de um atleta durante os Jogos Paralímpicos ocorreu em 2016, com o iraniano Bahman Golbarnejhad. O paraciclista morreu enquanto competia durante os Jogos Paralímpicos do Rio-2016.

Casos Que Não Envolveram Atletas

·         Calgary 1988 - o médico da delegação austríaca Jörg Oberhammer faleceu ao ser atropelado por uma máquina que condicionava a pista de neve. Aos 47 anos, ele estava esquiando quando perdeu o controle e colidiu com o veículo.
·         Londres 2012 - Um onibus especial que levava jornalistas para o centro de mídia envolveu-se num acidente que matou um ciclista.
·         Rio de Janeiro 2016 - Stefan Henze, integrante da delegação alemã de canoagem, faleceu vítima de um acidente de trânsito durante as olimpíadas de 2016 sediada no Rio de Janeiro.


MORTES OCORRIDAS DURANTE A DISPUTA DE JOGOS OLÍMPICOS



 1  - Maratona em Estocolmo - 1912 
O português Francisco Lázaro foi o primeiro atleta a morrer na história dos Jogos Olímpicos da era moderna. Na maratona de Estocolmo-1912, o corredor desmaiou durante a prova e faleceu horas depois. Os médicos afirmaram que a causa da morte do português foi uma desidratação extrema, causada pelo calor de 32 graus.

2 - DOPING CAUSA MORTE EM ROMA-1960
Problemas com doping causaram a morte do ciclista dinamarquês Knud Enemark Jensen durante a Olimpíada de Roma-1960. O atleta se sentiu mal durante a prova e teve um traumatismo craniano ao cair da bicicleta. A autópsia revelou que ciclista competia sob a influência de uma anfetamina que fez cair sua pressão arterial.

3 - ACIDENTES EM INNSBRUCK-1964 
Os Jogos Olímpicos de Inverno de Innsbruck-1964 ficaram marcados com duas mortes durante os treinos. O esquiador Ross Milne perdeu o controle em uma descida e não resistiu após se chocar contra uma árvore. O COI alegou que o problema ocorreu pela falta de experiência do atleta de 17 anos. Já o britânico Kazimierz Kay-Skrzypeski morreu em treino do luge.

4 - ATENTADO TERRORISTA EM MUNIQUE-1972 
No dia 5 de setembro de 1972, nos Jogos de Munique, na Alemanha, um grupo de terroristas invadiu a Vila Olímpica e atacou a delegação israelense. O treinador de luta Moshe Weinberg e o levantador de peso Joseph Romano reagiram e acabaram sendo mortos a tiros de metralhadora no local. Outras nove pessoas da delegação entre atletas, treinadores e funcionários acabaram mortos, e mais sete pessoas entre policiais e terroristas também morreram.

5 - ACIDENTE EM TREINO DE ALBERTVILLE-1992 
O esqui de velocidade ainda era uma modalidade de exibição nos Jogos Olímpicos de Inverno em 1992, mas a competição ficou marcada pela morte do suíço Nicolas Bochatay, de 27 anos, na estação de Lês Arcs, na França. O competidor se acidentou enquanto realizava um treinamento para a disputa da final do esqui de velocidade.

6 - BOMBARDEIO EM ATLANTA-1996 
Os Jogos Olímpicos de Atlanta-1996 foram marcados por um bombardeio no Centennial Park em 27 de julho. O atentado ocorreu durante um show e matou a espectadora Alice Hawthorne e deixou outros 111 feridos, além de causar a morte de Melih Uzunyol por ataque cardíaco.

7 - MORTE EM VANCOUVER-2010 
No primeiro dia de disputa dos Jogos Olímpicos de Vancouver, nesta sexta-feira, o georgiano Nodar Kumaritashvili, de 21 anos, que competia no luge (espécie de trenó em que o atleta desce a pista deitado), morreu após colidir violentamente contra uma pilastra enquanto treinava para a competição no Whistler Sliding Center


http://esporte.uol.com.br/esportes-de-inverno/ultimas-noticias/2010/02/13/top-7---mortes-ocorridas-durante-a-realizacao-de-jogos-olimpicos.jhtm

 Morte nas Olimpíadas em 2016


5 pessoas - Acidente na pista construída como atrativo para os Jogos Olímpicos, mata 5 pessoas. recém-inaugurada ciclovia Tim Maia, na Avenida Niemeyer, em São Conrado, Zona Sul do Rio.

O ciclista iraniano Bahman Golbarnezhad, de 48 anos, ciclismo de estrada da Paralimpíada do Rio, no Recreio dos Bandeirantes.


ACIDENTES AÉREOS QUE MARCARAM TIMES E SELEÇÕES DE FUTEBOL



4/5/1949 – Torino
O avião Fiat G.212 da Avio Linee Italiane retornava de Lisboa para Turim após um amistoso do Torino contra o Benfica. O acidente ocorreu durante a aproximação e a aeronave se chocou contra a Basilica de Superga. Ao todo, 31 pessoas morreram, sendo 18 jogadores e cinco membros da comissão técnica. Na época, o Torino liderava o Campeonato Italiano a quatro rodadas para o fim e seria o campeão.

6/2/1958 – Manchester United
O ‘Desastre de Munique’ ocorreu quando o avião Airspeed AS-57 Ambassador da British European Airways tentava decolar do aeroporto de Munique para Manchester. Ao todo, 44 pessoas estavam a bordo e 20 morreram. Entre eles, oito jogadores do Manchester United, que voltavam da Iugoslávia após jogo contra o Estrela Vermelha pela Copa da Europa.

16/7/1960 – Seleção olímpica da Dinamarca
Após a decolagem do aeroporto de Copenhague, o avião De Havilland Dragon Rapide fretada pela Associação Dinamarquesa de Futebol caiu sobre Oresund. Somente o piloto sobreviveu e oito pessoas morreram, todos jogadores da seleção olímpica que se dirigia para a disputada dos Jogos na Itália.

1961 - Time de patinação dos EUA
Toda a equipe de patinação artística dos Estados Unidos morreu na queda do avião a caminho de Praga, onde disputaria o campeonato mundial da modalidade. O Boeing 707 caiu perto de Bruxelas, na Bélgica, matando 72 pessoas no total.

Entre as vítimas, estavam 18 atletas e 16 familiares, além de membros da equipe técnica e outros passageiros. Maribel Vinson-Owen, 9 vezes campeã dos Estados Unidos, e suas duas filhas, que seguiam os passos da mãe, morreram no acidente.

3/4/1961 – Green Cross
O time chileno do Green Cross voltava de um jogo contra o Provincial Osorno, em Osorno, pela copa do Brasil, quando o Douglas DC-3 da LAN se chocou contra a Cordilheira dos Andes no caminho para Santiago. No acidente, 24 pessoas morreram, sendo oito jogadores, o técnico e o fisioterapeuta. O local do desastre só foi descoberto em 2015.

 26/9/1969 – The Strongest
Durante o retorno da delegação do The Strongest de Santa Cruz de La Sierra para La Paz, na Bolívia, o Douglas DC-6 do Lloyd Aéreo Boliviano desapareceu. Só foi encontrado no dia seguinte na região de Viloco. Todas as 74 pessoas a bordo morreram. Entre elas, 16 jogadores do clube boliviano e integrantes da comissão técnica.

1970 - Marshall University (futebol americano)
O time de futebol americano da Universidade Marshall voltava de uma partida na Carolina do Norte, quando a aeronave caiu ao tentar pousar em meio a um nevoeiro. O avião estava muito baixo e bateu em algumas árvores, antes colidir de nariz no solo.
O impacto causou uma explosão. Todos os 37 atletas e 8 membros a delegação morreram, além de 25 torcedores e tripulantes. O acidente já foi tema de filme ("Somos Marshall", de 2006) e livros.

1972 - Old Christians Club (rúgbi)
Um dos mais famosos acidentes aéreos com esportistas da história ocorreu com equipe uruguaia de rúgbi do Old Christians Club, a caminho de uma competição em Santiago, no Chile. O avião da Força Aérea do Uruguai caiu na Cordilheira dos Andes em 13 de outubro, com 45 pessoas.
Mais de 20 resistiram ao impacto e lutaram contra a falta de comida, o frio e uma avalanche. Mais de 2 meses depois, o resgate conseguiu chegar ao local e salvou 16 sobreviventes. A história foi contada no filme "Vivos", de 1993, que inclui relatos de canibalismo.

1976 - Esgrimistas cubanos
Em 6 de outubro de 1976, os 24 membros da equipe de esgrima cubana morreram na explosão, na costa de Barbados, de um DC-8 da Cubana de Aviacion devido a duas bombas colocadas por um grupo anticastrista. Setenta pessoas morreram no total.
  
11/8/1979 – Pakhtakor Tashkent
O avião Tupolev Tu-134 da Aeroflot levava a equipe uzbeque do Pakhtakor Tashkent para Minsk, onde enfrentaria o Dinamo Minsk. Enquanto sobrevoava a Ucrânia, a aeronave chocou-se com outro Tupolev Tu-134 da Aeroflot. Todas as 178 pessoas a bordo dos dois aviões morreram, incluindo 14 jogadores e três membros da comissão técnica.

1980 - Pugilistas dos EUA
Em 14 de março de 1980, 22 membros da equipe de boxe amador americana e seus acompanhantes morreram na queda de um avião perto do aeroporto de Varsóvia, na Polônia, onde eles teriam uma competição preliminar para a Olimpíada. No total, a tragédia deixou 87 mortos.

8/12/1987 – Alianza Lima
Em dezembro de 1987, o time de futebol mais antigo e prestigiado do Peru voltava para a capital, quando o avião caiu no mar, durante a aproximação ao aeroporto. No total, 43 pessoas morreram a bordo do Fokker, sendo 29 jogadores.

7/6/1989 – Colorful 11
Um grupo de jogadores descendentes de surinameses que atuavam da Holanda formaram um time, o Colorful 11, para participar de um amistoso no Suriname contra o SV Robinhood. O DC-8 da Surinam Airways fazia a rota desde Amsterdam e caiu durante a aproximação para o aeroporto de Paramaribo. Dos 178 a bordo, 11 sobreviveram, incluindo três jogadores. No entanto, 15 outros morreram. Alguns atletas não conseguiram autorização dos clubes para a viagem e escaparam, como Ruud Gullit e Frank Rijkaard.

27/4/1993 – Seleção da Zâmbia
O avião De Havilland DHC-5D da Força Aérea da Zâmbia levava a seleção do país para um jogo das Eliminatórias para a Copa de 1994 contra o Senegal, em Dakar. A aeronave, entretanto, caiu na costa do Gabão. Todos as 30 pessoas a bordo morreram, entre eles 18 jogadores de Zâmbia e membros da comissão técnica.

2011 - Yaroslavl Locomotiv (hóquei no gelo)
Em 7 de setembro de 2011, um avião Yak-42 caiu na decolagem em Yaroslavl (300 km ao nordeste de Moscou), matando 44 pessoas, incluindo membros da equipe de hóquei local do Locomotiv, três vezes campeã da Rússia e com vários astros internacionais do esporte.

29/11/2016 – Time da Chapecoense
A equipe catarinense viajava para Medelín para a disputa da final da Copa Sul-Americana, onde enfrentaria o Atlético Nacional. A aeronave, um BAe 146, transportava 81 pessoas. Delas, 76 morreram. Três jogadores sobreviveram.




Copa do Catar em 2022 já é desastrosa: 1200 operários mortos - dados de 2014
São Paulo – A Copa do Mundo da Fifa de 2022, no Catar, é um completo desastre já em 2014: 1200 trabalhadores envolvidos na construção dos estádios e em obras de infraestrutura morreram.
Um novo relatório da International Trade Union Confederation constatou que 1200 imigrantes, a maioria da Índia e do Nepal, já perderam suas vidas. 
A estimativa da entidade é que, no total, 4 mil operários vão morrer até o começo dos jogos, em 2022.
Em janeiro, as estimativas apontavam para 382 mortes nos últimos dois anos. 
O número aumentou com os dados das embaixadas: a embaixada do Nepal no Catar reportou, em fevereiro, 400 mortes desde 2010.
Já a embaixada indiana constatou 500 mortes desde 2012. 
No país, a maioria da mão-de-obra barata é formada por imigrantes do Nepal, Índia e Paquistão.
Os operários são expostos a longas jornadas – muitas acima de 12 horas – e lidam com um ambiente de trabalho pouco seguro e carente de infraestrutura adequada.

Pesquisado por
Diná Soares


Um comentário: